DESTAQUE

Cientistas acreditam que tecnologia alienígena foi descoberta em meteorito na Sibéria

Por
19 de Maio de 2022
Estaríamos diante de antiga tecnologia alienígena ou apenas de um material inédito na natureza?
Créditos: Creative Commons

Em 2009, os cientistas encontraram um mineral desconhecido na Sibéria que data de 4.5 bilhões de anos, ou seja, quando o sistema solar estava apenas se formando. Sua composição só é encontrada na Terra de forma artificial, o que levanta muitos questionamentos.

Este material raro, mas estranho, foi encontrado em uma caixa recebida pelo Museu Italiano de História Natural de Florença. De acordo com uma equipe internacional de pesquisadores liderados por cientistas da Universidade de Princeton, ele chegou à Terra com o meteorito Khatyrka, que caiu perto das montanhas Koryak, no leste da Sibéria. Quando os cientistas analisaram o mineral, não ficaram intrigados com sua idade, mas com sua estrutura atômica.

A estrutura deste mineral nunca foi encontrada na natureza antes, embora tenha sido criada artificialmente em laboratório. Eles são conhecidos como “quasicristais” porque parecem cristal por fora, mas são visivelmente diferentes por dentro. Os pesquisadores estudaram um pequeno fragmento do mineral. Os átomos da matéria estavam dispostos em uma ampla variedade de configurações que, com base na compreensão humana da ciência e da composição química, simplesmente não eram possíveis na natureza.

O físico Paul Steinhardt, professor de Ciências Naturais em Princeton, disse: “Esta descoberta fornece evidências importantes de que os quasicristais podem se formar na natureza sob condições astrofísicas e sugere que essa fase da matéria pode permanecer estável por bilhões de anos.” Tecnicamente, os cientistas descrevem os quasicristais como quase periódicos, colocados à mão, que não estão mais na tabela periódica. Embora mostrem um padrão que preenche continuamente toda a massa disponível, falta-lhes o que os cientistas e matemáticos chamam de “simetria translacional.”


Um fragmento do meteorito Khatyrka, cuja composição, em princípio, não deveria existir na natureza.
Fonte: GettyImages

Ufólogos e cientistas supunham anteriormente que era em tais formas que seriam encontradas evidências de vida extraterrestre. Eles ressaltaram que os quasicristais, sendo uma nova forma de matéria, devem realmente ser considerados como artefatos de tecnologia alienígena criada artificialmente. No entanto, ninguém foi capaz de explicar como eles podem ser formados por processos naturais, e dificilmente alguém o fará. Sua “simetria proibida” impossibilita que eles se formem naturalmente.

Outros quasicristais conhecidos, além daqueles encontrados em meteoritos perto das montanhas Koryak, foram recentemente sintetizados por cientistas em laboratório. Sendo muito duros, com características de baixo atrito, bem como baixa condutividade térmica, os quasicristais são um produto muito útil usado em uma ampla gama de tecnologias de alta velocidade, como revestimentos de aeronaves e caças furtivos.

Se não foi criado pela natureza, como alguns afirmam, de onde veio esse material misterioso e como esse material complexo acabou dentro de um antigo meteorito? O professor de Harvard, Avi Loeb, acredita que, como nosso universo tem uma geometria plana com “energia líquida zero”, uma civilização avançada poderia desenvolver uma tecnologia que criasse um universo bebê do nada usando tunelamento quântico. Poderia o material extraterrestre encontrado no meteorito Khatyrka ter sido criado artificialmente milhões ou bilhões de anos atrás por uma antiga civilização de outro mundo? Ele faria parte de uma estrutura tecnológica muito mais complexa?

Fonte

Já está no ar a Edição 287 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2022

A noite oficial dos UFOs no Brasil