DESTAQUE

A cratera Jezero, em Marte, já foi o delta de um rio como os encontrados na Terra

Por
09 de Outubro de 2021
A cratera Jezero já foi o delta de um rio.
Créditos: NASA

Uma equipe internacional de investigadores que analisam imagens coletadas pelo rover da NASA, o Perseverance, determinaram que o planeta vermelho já contou com um delta de rio praticamente idêntico a características geográficas encontradas na Terra.

Formado há cerca de 3.7 bilhões de anos, este antigo rio levou à criação de um lago marciano de tamanho considerável que ocupou a cratera de Jezero, a casa atual do Perseverance. “O estudo mostra quanta água fluiu para esta cratera há cerca de 3.7 bilhões de anos”, afirma o comunicado de imprensa anunciando o estudo publicado, “(...) e indica onde o rover poderia procurar bioassinaturas ou material orgânico.”

Os pesquisadores dizem que a topografia do delta do rio era tão específica em estrutura quando comparado aos da Terra que eles sentiram que não havia outra explicação viável para o que as câmeras do rover estavam vendo. “A geometria é tão típica que não há outra estrutura que possa explicá-la”, disse o pesquisador Nicolas Mangold, da Universite de Nantes, ao Debrief por e-mail, “(...) portanto, é uma indicação clara da presença de um lago.”

Numerosos estudos apontaram para um passado úmido em Marte, incluindo uma descoberta recente de que a cratera de Jezero não apenas abrigou um antigo lago, mas também concluiu que o corpo de água já existia há tempo suficiente para que a vida microbiana pudesse se estabelecer. Este resultado tentador, junto com o corpo de trabalho existente apoiando as origens aquáticas de Marte, levou Mangold e seu colega pesquisador Sanjeev Gupta, do Imperial College de Londres, a olhar para as imagens capturadas pela câmera de alta resolução do rover conhecida como SuperCam, na esperança de encontrar reveladoras características geológicas semelhantes às encontradas na Terra.

“Minha participação e a de autores franceses está relacionada ao instrumento SuperCam”, disse Mangold ao Debrief, “(...) que é um instrumento franco-americano que adquire imagens de alta resolução e espectros para identificar a composição das rochas.” De acordo com Mangold, sua equipe pesquisou as imagens do SuperCam de faces de penhascos para medir a inclinação das camadas de rocha dentro deles e as formas e tamanhos das várias rochas contidas nas próprias faces do penhasco. Esta caçada, disse Mangold, provou ser um sucesso, com os resultados da equipe publicados na revista Science.


Graças à câmera de alta resolução do Perseverance, foi possível constatar o passado da cratera Jezero.
Fonte: NASA

“A observação principal está em Kodiak (uma área de Jezero), onde as camadas passam regularmente da horizontal para a inclinada e, em seguida, para a horizontal novamente”, explicou Mangold. “Essa geometria é típica da geometria de deltas, com ‘topsets’ sendo depósitos de rios e ‘forsets’ sendo os depósitos de rios que entram no lago e caem na encosta de sua entrada. Então, ‘conjuntos de fundo’ são depósitos de lama formados posteriormente.”

Mangold disse ao Debrief que sua equipe também identificou várias pedras nas faces do penhasco. Com base em seus tamanhos relativos, essas rochas grandes e antigas devem ter sido roladas no lugar por “inundações de alta energia.” Além disso, dada a localização das rochas dentro dos estratos, essas inundações de alta energia devem ter ocorrido no final da sequência de enchimento da cratera. “As rochas têm até 1.5 m de largura, o que exige que um rio tenha uma grande energia para transportar essas rochas em uma encosta relativamente plana (1 ou 2 graus de encosta no delta)”, disse Mangold.

“Este tipo de depósito é típico de enchentes ou ondas glaciais, então não sabemos ainda que tipo de mudança climática é responsável por essas enchentes, mas sua presença no topo do delta provavelmente não é uma coincidência.” Além disso, “(...) nossas descobertas indicam que o delta é um delta do tipo Gilbert, que é tipicamente o tipo de delta formado quando o fluxo de um rio entra em um corpo de água parado com baixa ação das ondas e nenhum efeito das marés.”

Mangold disse que encontrar e analisar esses tipos de rochas antigas é particularmente útil porque eles podem corresponder a rochas que foram transportadas da crosta do planeta para o lago. “Amostrar material crustal antigo é parte dos objetivos principais para o retorno de amostras”, disse ele. Quando questionado pelo Debrief sobre como suas descobertas podem ajudar a equipe do rover a selecionar alvos interessantes para analisar e potencialmente armazenar para uma futura missão de retorno de amostra, Mangold disse que é isso que eles estão fazendo agora. “No momento, estamos discutindo como incluir essas descobertas na travessia do Perseverance até o topo do delta.”

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos